Liquidificador – agora sem trema =)

Yoga no 101 em 1001

Posted in 101 em 1001 by dabidomo on 15 de June de 2008

Finalmente hoje fui a aula de yoga. Acordei as 7 e meia e ainda consegui chegar atrasado ( nem 5 minutos). A aula foi das 10hs as 11:15 , no NIC ,coodernada em inglês por uma professora que já esqueci o nome =/ Só sei que passou muito rápido e eu, DURO como sempre. Oque eu tranpirei nesses 75 minutos não transpiro com 40 minutos de esteira, média de 11km/h. FODA! Mas vou continuar frequentando, acho que o yoga acalma e relaxa, eu preciso disso. É isso, tá aí, botando a lista pra andar.

27. Fazer yoga; feito 15.06.2008

Na hora do pagamento

Posted in Japon, tecnologia by dabidomo on 15 de June de 2008

Depois de 8 tentativas frustradas pra conseguir um cartão de crédito japonês, acabei desistindo da idéia. O fato é que, eu não queria um cartão pra parcelar contas mas sim porque acho mais prático que carregar dinheiro , evitando as idas ao banco ou ATM. Aqui no Japão até existe cartão de débito porém ele não foi tão difundido como o Visa ou Maestro no Brasil. Aliás aqui, não tem Maestro, é só o Visa Débito e um outro conhecido como J-Debit que eu fiz pelo Citibank. O incoveniente do cartão de débito aqui é que são poucos estabelecimentos que aceitam. Sinceramente , pouquíssimos, mas vou usando na medida do possível. Em compensação, oque está se tornando um febre são os SMART Cards ( cartões inteligente ), cartões que utilizam tecnologia Felica da qual a Sony é proprietária. Esses cartões possuem um chip (substituto da antiga tarja magnética) que ao aproximar o cartão do leitor, esse lê as informações necessárias em décimos de segundos. Tudo muito rápido. Essa tecnologia é aplicadada nos sistemas de transporte, compras, vending machines. Um dos mais populares Smart Cards do Japão, com certeza, é o SUICA. Criado pra ser usado na região de Kanto, hoje em dia pode ser usado também na Região de Tokai e Kansai, que já possuem seus similares regionais( TOICA pra Tokai e o ICOCA pra Kansai) . Adquirir um desses é muito fácil, você paga 2000 yenes e recebe um cartão com crédito de 1500 yenes, podendo recarregá-lo em qualquer guichê da JR. Quando devolver o cartão pra JR, os 500 yenes que foi debitado na aquisição é devolvido. O Suica não se limita somente a trens e metrôs, também pode ser usados em algumas lojas, combinis e supermercados. Por falar em supermercados e combinis, cada grupo já lançou seu Smart Card. O Grupo Seven&Holdings possui o Nanaco que pode ser usado nas lojas Seven Eleven e Itoyokado; O EDY que é usado no Circle-K, Lawson, Family Mart, am pm e o simpático Waon do Grupo Aeon que pode ser usado no Aeon, Carrefour, Jusco, Maxvalu, Mega Mart, Mini Stop, My Call, Saty . O custo do Waon é 300 yenes, que se for recarrregado no momento da compra , 300 pontos são adicionados seu cartão. Além de ser usado como um cartão de pontos( a cada 200yenes 1 ponto) e dinheiro eletrônico, ele também te dá 5% de descontos no Aeon ( dias 20 e 30 do mês) e dia 10 você duplica pontos na sua compra(2x). Como tudo no Japão tem um mascote , o do Waon é um cachorrinho que late quando você passa o cartão no leitor. KAWAI!!!

Homofobia no Exército

Posted in brésil by dabidomo on 11 de June de 2008

HOMOFOBIA NO EXÉRCITO

Alípio de Sousa Filho

Professor do Departamento de Ciências Sociais da UFRN

Editor da Revista Bagoas: estudos gays – gêneros e sexualidades

A matéria de capa da revista Época do domingo 1 de junho, com a história do casal Laci Araújo Marinho e Fernando Alcântara de Figueiredo, sargentos do Exército nacional – o primeiro é norteriograndense e o segundo é pernambucano –, relata o que é sabido: nas forças armadas de nossos diversos países, existem gays e lésbicas e estes podem ser tão bons e importantes profissionais como aqueles que se declaram heterossexuais (sim, os heterossexuais se declaram como tais a todo momento. Ninguém estranha, tornou-se natural: contam suas histórias de amor, beijam-se e andam de mãos dadas em público, aparecem em cenas de afeto e sexo em filmes, novelas etc. Toda a esfera pública é dominada por sua heterossexualização. É a dita normalidade!). A reportagem da revista revela também que os militares gays estão casados há mais de sete anos e que os dois se querem, amam-se. Mas a matéria revela igualmente, embora com poucos detalhes, a perseguição praticada contra os dois pelo comando do Exército, através da ação homofóbica de alguns de seus superiores no comando da 11ª Região Militar. Perseguição que inclui a prisão hoje, 4 de junho, do sargento Laci Araújo, após entrevista a programa de TV. Na saída do estúdio em que dava entrevista ao vivo, ao lado de seu companheiro, foi cercado por soldados do Exército com mandado de sua prisão.

Matérias que circulam na imprensa de Brasília dão conta que o sargento Laci Araújo é perseguido em razão de sua atividade como artista, pois, além de sargento do Exército nacional, ele fazia cover da cantora Cássia Eller em shows na capital federal. Seus shows tornaram-se sucesso. O fato irritou comandos que não aceitam ter no Exército um militar gay que se assume como tal e que desenvolve atividade artística imitando ícone da cultura gay. Os comandos do Exército (como, de resto, toda a sociedade) preferem a invisibilidade dos homossexuais. De fato, o que socialmente incomoda é a visibilidade da existência gay, a conquista e a afirmação de direitos, o reconhecimento social e político. Enquanto permanece no silêncio e na invisibilidade, a homossexualidade é admitida, embora cercada de preconceito.

O Ministério Público recebeu denúncia, oferecida pela mãe do sargento, que acusa o Exército de preconceito e discriminação. Conforme a imprensa, entre as provas apresentadas pela mãe, estão conversas gravadas em que um general homofóbico acusa o sargento Laci Araújo de ser um traidor, pois, segundo acredita o general, o Exército não pode ter em suas fileiras quem põe em dúvida a suposta masculinidade verde-oliva. Na mesma gravação, o general expressa seu desejo de castigar o sargento com sua prisão e transferi-lo para o Rio de Janeiro, ao mesmo tempo em que exprime seu desejo de separá-lo de seu companheiro, o sargento Fernando, transferindo-o para o Rio Grande do Sul. O caso está na Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República e na Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal.

Toda a pressão psicológica sofrida pelo sargento Laci Araújo o adoeceu. Hoje, ele é portador de síndromes que certamente não deixam de ter relação com o sofrimento que experimenta. À repressão a que foi submetido no Exército some-se a angústia que guardou por muito tempo, produzida pela violência do silêncio a que gays e lésbicas são submetidos. O que, todavia, é mais perverso é a tentativa do preconceito de tornar controvertido um caso que nada tem de controverso. Temos aí um caso de perseguição por homossexualidade e todo o resto é pura desculpa homofóbica. O caso é claro: ódio contra aqueles que não se deixam tornar reféns do preconceito. Ódio contra aqueles que, felizes, não vivem sua sexualidade com culpa, vergonha, medo e alienação.

Não vamos deixar que nosso Laci Araújo torne-se um novo Genildo Ferreira de França, também soldado do Exército, que, em 1997, sob a pressão do preconceito por ser gay, matou 15 pessoas em São Gonçalo do Amarante, matando-se em seguida. Não vamos deixar que nosso bravo sargento Laci Araújo torne-se um novo Oscar Wilde, poeta e escritor, que, em 25 de maio de 1895, na Inglaterra, foi condenado a dois anos de prisão com trabalhos forçados pelo crime de amar um rapaz. Todos nós, homossexuais ou não, devemos combater o preconceito e suas atrocidades. Não há mais desculpas para ninguém ficar de fora desse combate. O Brasil não pode mais continuar admitindo violências como as que agora são submetidos os sargentos Laci Araújo e Fernando Alcântara. Condenações por homossexualidade nunca mais! O preconceito ignorante e a homofobia é que merecem condenação!

Enxergar as pessoas além da sexualidadade, raça, credo é tão difícil assim? Quando vamos ser todos iguais? Quando todos teremos os mesmos direitos? Uma realidade muito distante…a minoria se ferra, sempre. E cada dia eu vejo que a igualdade de direitos fica mais longe. Fica aqui o email da Secretaria dos Direitos Humanos que deveria ser responsável pra exigir no mínimo O RESPEITO. ( direitoshumanos@sedh.gov.br )

Fatias Húngaras e Once ( Apenas uma Vez )

Posted in musique, septième art by dabidomo on 9 de June de 2008

Surpresas quando são boas, são sempre bem vindas. O filme Once ( Apenas Uma Vez ) é uma surpresa boa, daquelas que você não se importa em receber 2, 3, 4 vezes. Roteiros, elencos milionários ou grandes produções nem sempre são sinônimos de bons filmes. Once ( Apenas uma Vez ) é a prova real de que um bom filme também pode ser feito com orçamento modesto. É um filme independente e extremamente simples, filmado ocultamente, nas ruas, com figurantes não-cientes de suas condições. As locações, quando existem, são as mais simples possíveis, deixando a merce toda a poesia e musicalidade presente na trilha sonora, composta pelos protagonistas Glen e Marketa( ele um músico de rua e ela uma imigrante tcheca). O roteiro não se prende a sentimentalismo e nem explora a dramaticidade das personagens. É tudo muito sútil, inclusive as intenções dos protagonistas. É uma pena que eu tenha assistido-o em casa, no computador, enquanto preparava as fatias húngaras , desejava vê-lo na telinha do cinema . Mas sem maiores detalhes, acho que o lance e ver o filme e se surpreender. Seguem as indicações e os prêmios que o filme já recebeu mundo afora:

  • Oscar de Melhor Canção Orginal “Falling Slowly” ;
  • Independent Spirit Awards de Melhor Filme Estrangeiro;
  • 2 Indicações ao Grammy, na categoria melhor Trilha Sonora e Melhor Canção orginal

E mais algumas curiosidades sobre o filme:

  • Once foi filmado em apenas 3 semanas com U$70 mil , um orçamento baixo para competir ao Oscar, mas nas palavras do próprio diretor John Carney”foi um projeto entre amigos, com pouco dinheiro e muita alma”;
  • Hansard começou a namorar realmente Markéta durante as filmagens;
  • Os dois fizeram um projeto chamado The Swell Season e abriram show pra Damien Rice myspace.com/theswellseason ;
  •  Quer fazer o download de Once  (560mb)? A-mule ou torrent. Fácil, Fácil

 

 

 

 

Circle Trip Asia

Posted in voyage, web sites by dabidomo on 7 de June de 2008

Esse anos aqui instigaram uma vontade de fazer backpacking pela Ásia, e o Japão é uma ótima porta de entrada para esse sonho. Mas as boas tarifas só aparecem em baixa temporada, significa que se eu quiser viajar em algum grande feriado como o Golden Week, Obon Yasumi ou Shogatsu Yasumi terei que desembolsar grana. Aproveitando que vou pra Sydney em setembro, estou planejando uma viagem pela Ásia. Pesquisando por ai, descobri que existem pacotes com propostas muito atraentes pra quem quer viajar grandes distâncias. Além do pacote de volta ao mundo que muitas alianças aéreas fazem, tem um que coube exatamente minhas exigências. A Star Alliance tem, além do pacote de volta ao mundo ( você voa 35mil milhas, pode fazer 15 overstops, tudo isso dentro de 10 dias à 1 ano ) , vários airpass regionais ( pacotes de vôos, com determinados números de tickets, determinado prazo para viagem ) e as Circle Trip ( Pacífico e Ásia ) . Por exemplo, a Circle Asia Fare te dá o direito de voar 15mil ou 18mil milhas, 15 overstops, a viagem pode durar até 6 meses. Já entreguei o itinerário pra agência de viagens, ficou mais ou menos assim : Tokyo>Beijing>Shangai>HongKong>Phnom Penh ( Camboja )>Cingapura>Sydney>Tokyo 1 semana (média) em cada cidade, e a passagem de volta pra Tokyo de Sydney data 2 meses e meio depois de embarcar na Austrália. Dessa forma , ainda não completarei os 6 meses de viagem, dependendo do preço final, talvez acrescentarei Bangkok e Puhket. Outros pontos a favor da Star Alliance, acumularei mais milhas ( quem sabe não rola um upgrade na próxima viagem ) e quanto a companhias aéreas, tem um leque enorme de opções. A, o site da Star Alliance tem uma ferramenta chamada calculadora de produtos tarifários , com a qual você monta seu itinerário qse completo, desde a disponibilidade das rotas aéreas até milhagem, horário de vôo, stops. É brincar de sonhar. A viagem vai ficar mais ou menos assim:

Ado, Aado Cada um no seu Quadrado

Posted in hilare, musique by dabidomo on 7 de June de 2008

KKkkkkkk…muito engraçado esse FUNK. Já que tem que conviver com o “funk” que seja algo sem conteúdo sexual. Aliás, sem conteúdo nenhum…rs.

Tagged with: , ,

Tsuyu sim, chuva não

Posted in gastronomie, Japon by dabidomo on 5 de June de 2008

Oque estou assistindo no Japão agora é chamado de Tsuyu ( 梅雨 ) , um período que antecede o verão, caracterizado por chuvas quase que diárias e quem dura 2 semanas. Eu não gosto, simplesmente por causa das chuvas. ( sim, sou de açucar ) . É um saco ter que verificar o tempo sempre antes de sair de casa pra evitar maiores surpresas, outro saco também é ficar carregando guarda-chuva. Mas o tsuyu é um período necessário, no qual a maioria dos japoneses se preparam para o verão. Acredite, o verão aqui não é tão legal assim. Ano passado a temperatuta chegou a 40 graus na cidade de Tajimi a apenas alguns minutos de Nagoya. Durante o tsuyu não se tem muitas coisas pra fazer. Sair pra rua, só se realmente for necessário e se a coragem de correr o risco de se molhar vencer a monotonia. Eu prefiro ficar em casa, assistindo filmes, meus seriados favoritos, preparando e degustando minhas experiências gastronômicas. Ontem fiz tiramisu, e troquei o creme de leite normal cheio de calorias por um light com 35% menos calorias. Conclusão : alguns pratos, pra ser gostoso tem que ser calórico .

Segue a receita : Tiramisu

  • 2 caixas de creme de leite fresco
  • 200 gramas de marcarpone
  • 1 pacote de biscoito ladyfingers
  • 3 colheres de sopa de açúcar
  • café forte, algumas gotas de baunilha, 3 colheres de rum
  • chocolate em pó, chocolate meio amargo para porvilhar


Bater o creme de leite com 2 colheres de açúcar até obter um chantily. Acrescente o queijo marcarpone e reserve. Faça um café bem forte, acrescente um colher de açúcar, algumas gotas de baunilha, e o rum. Molhe os biscoitos levemente no café e forre o fundo de uma travessa com eles. Em seguida, acrescente o creme de chantily com mascarpone. Vede com film plástico, leve a geladeira por 2 horas. Polvilhe chocolate em pó e chocolate meio amargo ralado por cima na hora de servir.